terça-feira, abril 18, 2006

Maldita cocaína

De entre todo o manancial de informação com que diariamente somos bombardeados, há sempre notícias que se destacam pelo seu carácter inesperado.
Saiu uma reportagem na revista brasileira Isto É que se centra nas mulheres - pouco elogiosamente denominadas "mulas" (regra geral, mulheres bonitas que, por razões óbvias, ludibriavam as autoridades policiais) - que transportam cocaína dentro delas para tráfico, após terem sido submetidas a operações cirúrgicas com esse objectivo. Lembrei-me de imediato do filme colombiano Maria Cheia de Graça que, a propósito, ainda não vi, mas que já está na minha lista de filmes a visionar (como se tornou moda dizer hoje em dia!).
Fazem operações plásticas na Colômbia ou no Brasil, colocando pacotes herméticos de cocaína e de ecstasy no peito ou nas coxas a troco de chorudas quantias.
Como será conviver e viver com essa sórdida ideia? Levando essas substâncias não com elas (não menos grave, claro está), mas nelas? A mudança de preposição é assustadora, sem dúvida. Coloco a questão sem qualquer tipo de intuito moralista, pois percebe-se bem que a opção por essa estranha forma de vida radica em vidas de acentuada carência material ou de manifesta disfunção familiar, social, etc. Ou não necessariamente. A reportagem também revela que a grande maioria das "mulas" pertence à classe média e ingressa as amplas fileiras do desemprego.
Quando pensávamos que estava tudo dito em relação às manhas e artimanhas engendradas para o tráfico de droga, rapidamente se chega à conclusão de que este, como muitos outros, aliás, é um campo terrivelmente inesgotável...
Reportagem Isto É - "Vida de Mula"

2 comentários:

JLL disse...

Histórias como esta levam a pensar bem as companhias que se escolhem hoje em dia. Podes estar muito bem a engatar uma miuda e quando dás conta estás a ser preso, mas não por pedofilia ou por atentado ao pudor, mas sim por tráfico de droga?!

JL disse...

Eu diria que aqui está uma nova forma de prostituição.

Follow my blog with Bloglovin