sexta-feira, agosto 18, 2006

Como ser eu mesma sem o ser?


É estranho ouvir o som da minha voz e não a reconhecer das demais
É estranho sentir a fragilidade das coisas
É estranho ser estrangeira de mim mesma
É estranho estranhar-me
É estranho viver na obsessão de ser feliz
É estranho o sorriso
É estranho regressar
É estranho sentir o peso da rotina inescapável
É estranho fugir da rotina
É estranho nunca ver a minha cara senão ao espelho
É estranho sonhar em Alemão
É estranho sentir-me em casa num espaço estranho
É estranho rever as séries que adorava na adolescência
É estranho fazer as mesmas piadas de sempre e não deixar de rir
É estranho ver em Tecnicolor
É estranho envelhecer e sentir-me cada vez mais nova
É estranho que os paradoxos sejam a resposta para tudo
É estranho que uma coisa seja verdade e o seu oposto também
É estranho que chova em Agosto


É estranho que as reticências consigam dizer o indizível

2 comentários:

Laurie disse...

Como é seres tu mesma sem o seres?
é estranho!

Anónimo disse...

Very nice site! » »

Follow my blog with Bloglovin