sexta-feira, março 17, 2006

Da língua portuguesa

A língua portuguesa é profícua em expressões, palavras, e coloquialismos verdadeiramente peculiares. Como hoje a chuva não pára de cair, numa atmosfera de asfixiante cinzentismo, resolvi fazer uma lista das expressões mais hilariantes:
- “Sem dizer água vai”
- “Vai na volta”
- “Sem ai nem ui”
- “Estás aqui, estás ali”
- “Nem sabes de que terra és!”
- “Desamparar a loja”
- “Bico-de-obra”
- “Trinta e um”
- “Não ser tido nem achado”
- “Do arco-da-velha”
- “Boca de trapos”
- “Cheia de nove horas”
- “Ele há coisas do Diabo!”
- “Com um olho no burro e outro no cigano”
- “Remoer o passado”
- "Estar com os azeites"
- “Às tantas”
- “De meia-noite”
- “Andar de candeias às avessas”
- “Resvés, Campo de Ourique” (não será certamente utilizado no Porto!)
- “Por uma unha negra”
- “Prego a fundo”
- “Virar o bico ao prego”
- “Azucrinar”
- “Assapar”
- “Descoser-se”
- “Escafeder-se” (creio que influência do Brasil)
- “Andar à nora”
- “Abocanhar”
- “Meter-se numa alhada”
-“Ouvir um zunzum”
- “Azamboada”
- “Naperon”
- “Bibelô”
- “Pivete”
- “Penduricalho”
- “Fedelho”
- “Pechiché” (muito usado na região do Porto; é uma espécie de toucador)
- “Pechincha”
- “Coqueluche”
- “Esbugalhado”
- “Trinca-espinhas”
- “Pau de virar tripa”
- “Caixa de óculos”

Mais hilariante seria traduzi-las para outras línguas ou tentar encontrar paralelismos válidos, pelo menos. Tarefa hercúlea!...
Follow my blog with Bloglovin