domingo, agosto 24, 2014

Silly world






















Muita tinta tem corrido e muito se tem discorrido sobre o mundo pré- é pós-Facebook. Afinal, o que mudou nesta imensa sociedade global com a disseminação alucinante desta rede social que parece querer perdurar durante muitos anos?

Antes de mais, é tarefa árdua sugerir uma análise crítica quando nos encontramos, também nós, os supostos críticos e questionáveis pensadores da modernidade, dentro dessa imensa nação em que se converteu o Facebook.

Um dado é certo:se Freud regressasse à era contemporânea, iria encontrar uma sociedade com elevados - senão mesmo doentios - níveis de narcisismo, numa verdadeira vertigem de auto-deslumbramento. Mais importante do que a palavra, a reflexão, o primado do pensamento, ainda e sempre a imagem, o parecer em detrimento do ser. Este poderia ser palco de discussões profícuas, da democracia e da democratização, da liberdade de expressão e do pensamento livre. Mas a "selfie" da praxe afigura-se sempre mais tentadora do que a Faixa de Gaza. 

O Facebook veio roubar tempo à leitura, à palavra escrita, à análise detalhada. Tudo se tornou demasiado etéreo, demasiado vazio, demasiado irrelevante. 

Ainda que seja pelas melhores e mais meritórias causas, atropelam-se baldes com gelo que caem sobre corpos que gritam e o mundo global assiste ao espectáculo de uma estranha democratização. Não sei se é reflexo da "silly season" ou de um mundo cada vez mais imbecil e acrítico.
Follow my blog with Bloglovin